ADOPCIONES XVI – Historias de Adopciones – por Siro Darlan y Silvana do Monte, Intercambio Tribuna de la Prena Libre, Brasil

Por Siro Darlan y Silvana do Monte Moreira

Serie Especial: ADOPCIONES – Parte XVI.

Hoy solo vamos a contar historias, contar historias de amor, historias de vidas que se encuentran para amarse. En un mundo dividido por guerras, enfermedades, pobreza, desigualdades sociales, cada vela que encendemos como una llama de amor, es más vida que repartimos. Las historias se cuentan para inmortalizar nuestros momentos y las historias que se cuentan en esta serie son ejemplos de cómo puedes cambiar la vida de una persona abandonada extendiendo tus manos y acogiéndola en tu corazón.

En 2016, a pedido de un magistrado, realicé una búsqueda activa y pensé en buscar una pareja calificada en São Paulo. La búsqueda fue diferente y la he mantenido hasta hoy: “Querid@s: ¿alguien acepta a un niño trans, de 9 años, disponible para adopción? Tiene que ser alguien que entienda el tema y esté calificado. Pido no divulgar, solo verificar la situación”.

La madre, una mujer transgénero, maestra, y el padre, un hombre cis, ya tenían un hijo, también en acogimiento familiar, con una pequeña discapacidad. La pareja aceptó el plan, envió los datos personales, el abogado mandó lo pertinente a la licencia y se dirigió al noreste a buscar a la ansiada hija. La etapa de convivencia se realizó en terreno, el niño tuvo una fuerte identificación con la pareja y el niño, dejó de sentirse diferente, pasó a sentirse incluido, respetado y teniendo como ejemplo a una madre fuerte, que se impone al mundo, que lucha por el respeto a todos, todas y todos, activista de derechos humanos.

La familia regresó a São Paulo con la custodia temporal de AM en la mano. Posteriormente, al final del proceso, se emitió el certificado AM con su nombre femenino.

Sigo acompañando a la familia, somos amigos más allá de la militancia. AM es una adolescente alta y delgada que se ve a sí misma, se comprende y es mujer. Como escribió Simone de Beauvoir (en la foto de abajo): “Nadie nace mujer: uno se convierte en mujer”.

Esta es su frase más clásica, extraída del libro El segundo sexo. Para ella, “ningún destino biológico, psíquico o económico define la forma que asume la hembra humana dentro de la sociedad; es toda la civilización la que elabora este producto intermedio entre el macho y el castrado que califica a la hembra”. Eso es exactamente lo que veo en AM y la educación de su madre.

Finalmente, es importante explicar qué es la búsqueda activa para que no surjan teorías conspirativas: la búsqueda activa es un mecanismo previsto en el Plan Nacional para la Convivencia Familiar y Comunitaria, donde los buscadores intentan localizar personas calificadas que puedan recibir determinados perfiles de niños. /adolescentes para quienes no se encontraron adoptantes en los registros locales y nacionales.

Esta búsqueda es realizada por los propios tribunales, los tribunales de justicia en varios programas y proyectos, incluso en colaboración con algunos equipos de fútbol, ​​por el ministerio público y por miembros de los grupos de apoyo a la adopción. Actualmente, en Río de Jaeiro, tenemos 2 grupos de Asociación AMAR calificados del Movimiento de Adopción del Estado de Río de Janeiro con más de 250 personas cada uno. Ya se han realizado varias adopciones de este grupo.

Ahora vamos a contar las historias de los 5 hijos de Berenice Belatto.

  1. Berenice Belatto

¡Qué increíble es ser madre de cinco hijos! Me mantienen atento a cada movimiento deportivo, aprensivos cuando se preocupan demasiado por el trabajo escolar. ¡Soy sensible y me preocupo incluso cuando se me cae un diente! Conmigo es más fácil para los chicos cumplir sus deseos. Tengo un espíritu extrovertido, maleable, confidente de todos ellos, rígido en la disciplina.

El padre es conservador, vigila la ropa de las niñas, celoso y muy juguetón. Nuestra sociedad es equilibrada respetando cada uno en su temperamento. Los desacuerdos ocurren principalmente cuando los teléfonos celulares son recogidos, examinados y prohibidos en ciertos momentos. ¡Los niños están furiosos!

A menudo, el regaño se dirige cuando no se cepilla los dientes o deja objetos tirados por la casa. Creo que nuestras reuniones dominicales son muy importantes. Nos sentamos a las 11:00 am, hablamos sobre todos los eventos que sucedieron durante la semana y todos tienen derecho a decir lo que piensan hasta por quince minutos. Después de lavar la ropa sucia, oramos, agradecimos a Dios y salimos a almorzar en familia junto a los hijos mayores de 46 y 32 años.

El amor es una fuente de milagro que mueve a todo ser humano. Respetando a cada individuo en sus diferencias, formamos una base sólida desde su primera infancia. Nos damos cuenta de que los niños crecen desarrollando un cordón umbilical invisible con confianza, esperanza, ánimo y un amor tan grande que olvidamos el acto de la adopción. El amor es el milagro de la vida y todo bien mezclado, sazonado con la receta de la paciencia, el discernimiento y la fe, dan ganas de pellizcar siempre las mejillas de los cachorros que son hijos del alma.

Soy Berenice Bellato, mi esposo es Cláudio y me encanta ser madre, abuela, activista de adopción. Muchas gracias por la oportunidad.
  1. Luis

Soy feliz en mi hogar. Mis padres son buenos, cariñosos y mi padre no me deja comer mucho porque soy gordita.

Mis hermanos son agradables, “en el lugar”, especialmente Vitória que me ayuda con mis lecciones escolares. Mi hermano gemelo siempre me ayuda a mantener la calma.

En la escuela me canso, muy molesto porque llego tarde a mis lecciones. Tomo medicina porque hago tratamiento médico. De mayor quiero ser médico de adultos. Me gusta tener motos y mis padres no me dejan tenerlas.

Quiero un auto de lujo. Tengo una habitación muy bonita que tiene una puerta que puedo ver el patio trasero. Cuido a mi perro y tengo una familia feliz. Me gusta tener dinero, pienso en tener una hermosa esposa que sea mi reina.

Me gusta mi hermano Víctor porque jugamos al fútbol. Está Crystal que es hermosa, diseñadora y me pintó dibujos para regalar a mis amigos de la escuela. No me gusta vivir aquí en São Paulo. Prefiero Dubai, África y París. A mí tampoco me gusta Río de Janeiro. Estoy feliz y duermo bien con una cama suave y deliciosa y, a veces, mi perro Tob se sube a la cama.

Mi madre no lo deja subirse a la cama porque mis hermanas son alérgicas a la piel de los perros. No recuerdo mucho de mis padres. Mi casa está aquí y mi familia está aquí porque amo todo. Mundo. Recuerdo el orfanato y fue malo quedarme allí. Eso es todo, punto y final.

Soy Ludwig y tengo 12 años.

Más de 20 niños esperan adopción en Caxias do Sul

  1. Victoria

Mi nombre es Vitória y tengo 11 años. Lo siento por mi familia y mis hermanos. Es como si hubiera nacido en esta familia. Fue muy tranquilo y normal para mí saber que era adoptada. Mi madre es una persona maravillosa y muy sensible. Mi padre es una persona simpática, divertida, seria y una persona que no demuestra sus sentimientos. No siento ninguna diferencia con mis hermanos. Me gusta mucho mi hermana genética, Crystal, que tiene “cara de tiza”.

Otro apodo que le puse es que es “cara de gilipollas”. Se lleva bien conmigo ya veces le cuento mis secretitos. Ella no habla mucho. Es seria y no se expresa mucho.

Luan es aburrido como el infierno y piensa que es mandón. A veces es agradable. Víctor estudia conmigo en la misma clase y es muy cariñoso, simpático, lindo y aburrido. Está lleno de moretones porque a veces le pego porque no hace la tarea. Quiero que pase el año escolar.

Mi hermano “Pidão” se llama Ludwig y tiene 12 años y es grande. Es muy egoísta, desvergonzado, tonto. Vamos a la piscina todos los días a nadar juntos. Se cree y es muy feo.

Cuando sea grande quiero ser pediatra y trabajaré en la oficina con mi amigo. Estoy enojado porque me retrasé un año en la escuela por la pandemia y me mudé a otra ciudad. Ojalá tuviera 14 porque quiero ser madre. Me gustan los bebés y creo que adoptaré y daré a luz a un niño. Odio vivir en São Paulo queriendo vivir en Nueva York porque está de moda allí y quiero estudiar casos criminales. Me encanta saber historia. No tengo ganas de encontrarme con mi gente que me dio la vida porque era muy importante. Aun así, quiero que tengan una vida maravillosa, pero lejos de mí. Es eso. Beso en queso para los que no tienen antojos.

Soy Violeta Vitória y tengo asma desde que nací y convulsiones. Mis padres me dan medicinas y el médico me atiende.
  1. Cristal Sofía

Mi nombre es Crystal Sophia, tengo 12 años y soy de una familia adoptiva pero vivo normalmente. Para ser honesto, no me importa, no puedo decir cómo me siento al respecto, pero sé que no me importa el hecho de que fui adoptado. Mis padres son amables aunque soy más amiga de mi mamá y mi papá no me entiende muy bien. A decir verdad, no estoy allí con muchos de mis hermanastros y ni siquiera me importa mi hermana de sangre porque son increíblemente molestos.

Soy la más diferente de la familia, tengo gustos extraños, soy la más seria e introvertida. Lo que me molesta un poco es que son diferentes, pero no es una mala familia, me gusta mi madre. Además del hecho de que muchos aquí me toman en serio y me irritan por completo, no me gusta el ruido. Me gusta esta familia. Prefiero estar tranquila y en mi propio mundo, tengo migrañas y cuando sea grande creo que quiero ser estilista o modelo. Soy buena dibujando y haciendo gimnasia rítmica.

Tengo dolor en el brazo y fiebre porque tomé la segunda dosis de la vacuna.
  1. Víctor

Mi familia es agradable. Me gusto a mí mismo. Soy Víctor y tengo 11 años. Ayudo a mis hermanos, a mis padres y al perro. No me gusta ir a la escuela pero me gusta estudiar en casa. No me gusta mucho la gente, alboroto. Me gusta estar aislado y hacer lo que quiero. Mis padres son amables y me gusta mucho mi hermano Luan y Crystal.

Mi papá me ayuda mucho y mi mamá siempre es amable. Sé que soy adoptado y ni siquiera lo siento.

 No quiero decir nada más.
Familty law. Gavel and shapes of men, women and child with books. 3d illustration

Leia também:

Dia 11 estreia a série “Adoções”

ADOÇÕES I – Família Harrad Reis

ADOÇÕES II – Do direito à convivência familiar e comunitária

ADOÇÕES III – Obrigações de cuidado

ADOÇÕES IV – Condições para adoção

ADOÇÕES V – O processo de adoção

ADOÇÕES VI – Cadastro Nacional de Adoção

ADOÇÕES VII – Adoção no Brasil

ADOÇÕES VIII – Adoções Internacionais

ADOÇÕES IX – Adoção Internacional

ADOÇÕES X – Famílias

ADOÇÕES XI – Os Grupos de Apoio à Adoção

ADOÇÕES XII – Prioridade absoluta 

ADOÇÕES XIII – Grupos de Apoio á Adoção

ADOÇÕES XIV – Provimentos 36 e 116 do CNJ

ADOÇÕES XV – A importância dos Juízos especializados

SIRO DARLAN – Editor y Director del Jornal Tribuna da Imprensa Livre; Juez de Segundo Grado del Tribunal de Justicia de Río de Janeiro (TJRJ); Maestría en Salud Pública, Justicia y Derechos Humanos de la ENSP; Posgrado en Derecho de la Comunicación Social en la Universidad de Coimbra (FDUC), Portugal; Rio Coordinador de la Asociación de Jueces por la Democracia; Consejero Efectivo de la Asociación Brasileña de Prensa; Socio meritorio del Clube de Regatas do Flamengo. Por buenas prácticas profesionales, en 2019, recibió el Premio en Defensa de la Libertad de Prensa, Movimiento Sindical y del Tercer Sector, una asociación entre el Jornal Tribuna da Imprensa Livre y la OAB-RJ. siro.darlan@tribunadaimprensaivre.com
SILVANA DO MONTE MOREIRA – Abogada, activista por la Adopción Legal, madre sin adjetivos. Presidenta de la Comisión de Derecho del Niño y del Adolescente de la OAB/RJ (2016/2018, 2019/2021), coordinadora de los Grupos de Apoyo a la Adopción Ana Gonzaga I y II, miembro fundadora de la Comisión de Derecho Homoafectivo de la OAB-RJ, Diputada por el estado de Río de Janeiro de la Associação Brasileira Criança Feliz, entre otras actividades que realiza. @silvanamonteadv

ADOÇÕES XVI – Histórias de Adoções – por Siro Darlan e Silvana do Monte

“Eles crescem. Eu envelheço. O amor não acaba. A foto foi o papai que bateu. 2017, dia das mães” – Berenice Bellato é psicoterapeuta, escritora e pianista. Foi comunicadora da Radio Mundial 95.7 FM, passou por algumas emissoras de TV sendo o seu último trabalho na Rede TV. (Foto: Facebook) Colunistas, ESPECIAL ADOÇÕES XVI – Histórias de Adoções – por Siro Darlan e Silvana do Monte  MAZOLA, 1 dia ago 0 10 min read 23511

Por Siro Darlan e Silvana do Monte Moreira –

Série Especial: ADOÇÕES – Parte XVI.

Hoje vamos apenas contar histórias, contar histórias de amor, histórias de vidas que se encontram para se amar. Num mundo dividido pelas guerras, doenças, pobreza, desigualdades sociais, cada vela que acendemos como uma chama de amor, é mais vida que distribuímos. Histórias são contadas para eternizar nossos momentos e as histórias contadas nessa série são exemplos de como se pode mudar a vida de uma pessoa abandonada estendendo-lhe as mãos e acolhendo-as no coração.

Em 2016, a pedido de uma magistrada, realizei uma busca ativa e pensei em buscar um casal habilitado em São Paulo. A busca era diferenciada e a tenho guardada até hoje:“Querid@s: alguém aceita um menino trans, 9 anos, disponível para adoção? Tem que ser alguém que entenda a questão e esteja habilitado. Peço não divulgar, apenas verificar a situação.”

A mãe, mulher trans, professora, e o pai, homem cis, já tinham um filho, também pela via adotiva, com uma pequena deficiência. O casal aceitou de plano, enviou os dados pessoais, a advogada enviou os pertinentes à habilitação e seguiram para o nordeste para encontrar a tão esperada filha. O estágio de convivência foi realizado no local, a criança teve forte identificação com o casal e o filho, deixou de se sentir diferente, passou a se sentir incluída, respeitada e tendo como exemplo uma mãe forte, que se impõe para o mundo, que luta pelo respeito a todas, todes e todos, militante dos direitos humanos.

A família retornou a São Paulo tendo em mão a guarda provisória de AM. Posteriormente, ao final do processo, a certidão de AM foi emitida com seu nome feminino.

Continuo acompanhando a família, somos amigas para além da militância. AM é uma adolescente alta, magra, que se vê, se entende e é mulher. Como escreveu Simone de Beauvoir (foto abaixo): “Ninguém nasce mulher: torna-se mulher”.

Essa é sua frase mais clássica, retirada do livro O Segundo Sexo. Para ela, “nenhum destino biológico, psíquico, econômico define a forma que a fêmea humana assume no seio da sociedade; é o conjunto da civilização que elabora esse produto intermediário entre o macho e o castrado que qualificam o feminino”. É exatamente o que percebo na formação de AM e de sua mãe.

Importante, por fim, explicar o que é busca ativa para que não surjam teorias conspiratórias: a busca ativa é um mecanismo previsto no Plano Nacional de Convivência Familiar e Comunitária, onde os/as buscadores/as tentam localizar pessoas habilitadas que podem receber determinados perfis de crianças/adolescentes para os quais não foram localizados adotantes nos cadastros local e nacional.

Essa busca é realizada pelas próprias varas, tribunais de justiça em vários programas e projetos, inclusive de parceria com alguns times de futebol, pelo ministério público e pelos componentes dos grupos de apoio à adoção. Atualmente, no Rio de Janeiro, temos 2 grupos de habilitados da AMAR Associação do Movimento de Adoção do Estado do Rio de Janeiro com mais de 250 pessoas cada. Desse grupo várias adoções já foram concretizadas.

Vamos contar agora as histórias dos 5 filhos da Berenice Belatto.

1. Berenice Belatto

Como é incrível ser mãe de cinco crianças! Eles me deixam antenada para cada movimento esportivo, apreensiva quando se preocupam demais com os afazeres escolares. Eu sou sensível e preocupada até quando cai um dente! Comigo é mais fácil para os meninos realizarem os seus desejos. Tenho espírito extrovertido, maleável, confidente de todos eles, rígida na disciplina.

O pai é conservador, fica de olho nas vestes das meninas, ciumento e bem brincalhão. Nossa parceria é equilibrada respeitando cada um no seu temperamento. Divergências acontecem principalmente quando os celulares são recolhidos, examinados e proibidos em determinados horários. As crianças ficam furiosas!

Muitas vezes, as broncas são direcionadas quando não escovam os dentes ou, deixam objetos jogados pela casa. Acho muito importante às nossas reuniões dominicais. Sentamos às 11:00 horas da manhã, conversamos sobre todos os acontecimentos vividos durante a semana e cada um tem o direito de falar o que pensa até quinze minutos. Depois de lavar a roupa suja, rezamos, agradecemos a Deus e saímos para o almoço em família juntamente com os filhos mais velhos de 46 e de 32 anos.

O amor é uma fonte de milagre que move cada ser humano. Respeitando cada indivíduo em suas diferenças formamos uma base sólida desde a sua primeira infância. Percebemos que às crianças crescem desenvolvendo um invisível cordão umbilical com confiabilidade, esperança, estímulo e um amor tão grande que esquecemos o ato da adoção. O amor é o milagre da vida e tudo bem misturado, temperado com a receita da paciência, discernimento e fé, dá uma vontade de sempre apertar as bochechas dos filhotes que são filhos da alma.

Eu sou Berenice Bellato, meu esposo é o Cláudio e amo ser mãe, avó, militante da adoção. Muito obrigada pela oportunidade.

2. Ludwig

Eu sou feliz no meu lar. Meus pais são bons, amorosos e meu pai não me deixa comer muito porque estou gordinho.

Meus irmãos são legais, “da hora”, principalmente a Vitória que me ajuda nas lições da escola. Meu irmão gêmeo está sempre me ajudando a ficar calmo.

Na escola fico cansado, muito chateado porque estou atrasado com as lições. Tomo remédio porque eu faço tratamento médico. Quando eu crescer quero ser médico de gente adulta. Gosto de ter motos e meus pais não me deixam ter.

Quero um carro de luxo. Tenho um quarto muito bom que tem uma porta que eu vejo o quintal. Eu cuido do meu cachorro e tenho família feliz. Gosto de ter dinheiro, penso em ter uma bela esposa que será minha rainha.

Eu gosto do meu irmão Victor porque jogamos futebol. Tem a Crystal que é linda, desenhista e ela pintava desenhos para eu dar para minhas amiguinhas da escola. Não gosto de morar aqui em São Paulo. Prefiro Dubai, África e Paris. Também não gosto do Rio de Janeiro. Sou feliz e durmo bem com cama macia, deliciosa e às vezes, o meu cachorro Tob sobe na cama.

Minha mãe não deixa porque ele subir na cama porque minhas irmãs tem alergia do pelo de cachorro. Não me lembro muito dos meus pais. Minha casa é aqui e a minha família é essa porque amo todo. Mundo. Lembro me do orfanato e era ruim ficar lá Só isso, ponto final e fim.

Eu sou o Ludwig e tenho 12 anos.

Mais de 20 crianças aguardam por adoção, em Caxias do Sul

3. Vitória

Eu me chamo Vitória e tenho 11 anos. Sinto a minha família e meus irmãos. É como se eu tivesse nascido nessa família. Para mim foi bem calmo e normal saber que fui adotada. Minha mãe é uma pessoa maravilhosa e muito sensível. Meu pai é pessoa legal, divertida, sério e uma pessoa que não demonstra os sentimentos. Não sinto diferença dos meus irmãos. Gosto muito da minha irmã genética que é a Crystal que tem” cara de giz”.

Outro apelido que dei para ela é que ela é “cara de pau”. Ela se dá bem comigo e às vezes eu conto meus segredinhos. Ela não fala muito. É séria e não se expressa muito.

O Luan é chato pra caraca e se acha mandão. Às vezes ele é legal. O Victor estuda comigo na mesma classe e ele é muito carinhoso, legal, fofo e sem graça. Ele é cheio de machucado porque às vezes eu bato nele porque não faz lição. Eu quero que ele passe de ano escolar.

Meu irmão “pidão” chama-se Ludwig e tem 12 anos de idade e tá grande. Ele é muito interesseiro, sem vergonha, besta. Nós vamos todos os dias na piscina nadar juntos. Ele se acha e é muito feinho.

Quando eu crescer quero ser médica pediatra e irei trabalhar no consultório com a minha amiga. Estou brava pois atrasei um ano na escola por causa da pandemia e eu mudei de cidade. Eu queria ter 14 anos porque quero ser mãe. Eu gosto de bebês e acho que vou adotar e dar à luz a uma criança. Odeio morar em São Paulo querendo morar em Nova York porque lá é faschion e quero estudar casos criminais. Adoro saber história. Não tenho vontade de conhecer meus que me deram à vida por ser muito importante. Mesmo assim quero que eles tenham uma vida maravilhosa, porém longe de mim. É isso. Beijo no queijo para quem não tem desejos.

Eu sou Violeta Vitória e tenho asma desde que nasci e convulsão. Meus pais me dão remédios e o médico cuida de mim.

4. Crystal Sophia

Meu nome é Crystal Sophia, tenho 12 anos e sou de uma família adotiva mas vivo normalmente. Sendo sincera nem ligo, não sei dizer bem como eu me sinto a respeito, porém sei que não tô nem aí pro fato de eu ter sido adotada. Meus pais são legais apesar de eu ter mais amizade com a minha mãe e meu pai não me entender muito bem. Pra falar a verdade eu nem tô aí com muito dos meus irmãos adotivos e nem dá minha irmã de sangue por que eles são incrivelmente irritantes.

Eu sou a mais diferente da família, tenho gostos estranhos, sou a mais séria e introvertida. O que me irrita um pouco é por eles serem diferentes, mas não é uma família ruim, eu gosto da minha mãe. Além de muitos daqui me tirarem do sério e me deixarem completamente irritada, não gosto de barulho. Eu gosto dessa família. Eu prefiro ficar quieta e no meu próprio mundo, tenho enxaqueca e quando eu crescer acho que quero ser estilista ou modelo. Sou boa em desenho e em ginástica rítmica.

Estou com dor no braço e febre porque tomei a segunda dose da vacina.

Adoção: pedido de "devolução" mostra insegurança jurídica nos processos

5. Victor

Minha família é legal. Eu gosto de mim. Eu sou o Victor e tenho 11 anos. Eu ajudo meus irmãos, meus pais e o cachorro. Não gosto de ir à escola mas gosto de estudar na minha casa. Não gosto muito de gente, tumulto. Gosto de ficar isolado e fazer o que quero. Meus pais são legais e gosto muito do meu irmão Luan e Crystal.

Meu pai me ajuda muito e a minha mãe é sempre legal. Eu sei que sou adotado e nem sinto isso.

Não quero falar mais nada.

Leia também:

Dia 11 estreia a série “Adoções”

ADOÇÕES I – Família Harrad Reis

ADOÇÕES II – Do direito à convivência familiar e comunitária

ADOÇÕES III – Obrigações de cuidado

ADOÇÕES IV – Condições para adoção

ADOÇÕES V – O processo de adoção

ADOÇÕES VI – Cadastro Nacional de Adoção

ADOÇÕES VII – Adoção no Brasil

ADOÇÕES VIII – Adoções Internacionais

ADOÇÕES IX – Adoção Internacional

ADOÇÕES X – Famílias

ADOÇÕES XI – Os Grupos de Apoio à Adoção

ADOÇÕES XII – Prioridade absoluta 

ADOÇÕES XIII – Grupos de Apoio á Adoção

ADOÇÕES XIV – Provimentos 36 e 116 do CNJ

ADOÇÕES XV – A importância dos Juízos especializados

SIRO DARLAN – Editor e Diretor do Jornal Tribuna da imprensa Livre; Juiz de Segundo Grau do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ); Mestre em Saúde Pública, Justiça e Direitos Humanos na ENSP; Pós-graduado em Direito da Comunicação Social na Universidade de Coimbra (FDUC), Portugal; Coordenador Rio da Associação Juízes para a Democracia; Conselheiro Efetivo da Associação Brasileira de Imprensa; Conselheiro Benemérito do Clube de Regatas do Flamengo. Em função das boas práticas profissionais recebeu em 2019 o Prêmio em Defesa da Liberdade de Imprensa, Movimento Sindical e Terceiro Setor, parceria do Jornal Tribuna da Imprensa Livre com a OAB-RJ. siro.darlan@tribunadaimprensalivre.com

SILVANA DO MONTE MOREIRA – Advogada, militante da Adoção Legal, mãe sem adjetivos. Presidente da Comissão de Direito da Criança e do Adolescente da OAB/RJ (2016/2018, 2019/2021), coordenadora dos Grupos de Apoio à Adoção Ana Gonzaga I e II, membro fundador da Comissão de Direito Homoafetivo da OAB-RJ, Representante para o estado do Rio de Janeiro da Associação Brasileira Criança Feliz, dentre outras atividades que desempenha. @silvanamonteadv


Tags

Share this post:

Related Posts

Envianos correo con tu opinion y sugerencias. 

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore